All posts by Sofia Amandio

Não somos “A Cauda da Europa”

“Cauda” remete-nos para uma visão metafórica ou enfabulada da realidade: O cão que abana a cauda, obediente e subalterno face ao dono; o apêndice ou a periferia da Europa. Portugal e a sociedade portuguesa são representados deste modo em extensos domínios do saber, sem despertar qualquer contestação. Trata-se de uma ideia amplamente cultivada e arraigada nas nossas identidades. A nossa viagem na civilização e na modernidade teria assim naufragado e dado à costa. Ou à cauda. Ora, uma sociologia que se insurja contra a dominação deve estender a sua agenda, e combater uma subalternização discursiva que reifique um dado estado da auto-estima social e cultural do que significa nascer, viver ou passar por Portugal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Raiar

sopro de especiarias

eflúvio do teu corpo

peso da gravidade

no sombreado da carne



valva da alva vultosa

veios de cores mescladas

corpos de plasticina e ossos

acordes do sono



no descolar das pálpebras

mergulho num lago infinito

verde, água e mel

reluzem no lençol



sedas, veludos e tufos

sinais do elã

precipício do dia

Sopa de letras

sôfrega sopa

sem bálsamo nem vento

escorre na torrente do esófago

queimando as letras


corpo ácido

não te dilucido

sorvo-te tremendo

óleo hirsuto


primo as letras

titubo na sopa, e

aborto o corpo recôndito


massa seca no armário

disléxica, amarela e híspida

asfixia no plástico

memórias e um prato frio

Captura de ecrã 2015-11-2, às 15.36.16

Viagens de uma Vulva sem Cabeça

Origem 1

#Courbet_Parte_I

O pudor fez do pipi de Courbet o mais desejado do século XIX. Sem precedentes na história da arte, o pincel colocou-o no centro da tela, desprezando elementos apartados. Foi nomeado L’Origine du Monde (1866).

De felpudo porte, o pipi resultou de uma encomenda feita por Khalil-Bey, diplomata turco otomano que ansiava deter um nu de talhe cru, para juntar à sua coleção de janelas lascivas. Apesar da sua ousadia, trajou-o numa cortina, e escondeu-o no seu apartamento de Paris. Mas Khalil-Bey foi apenas o primeiro de vários falos sedentos. O pipi foi mais tarde adquirido por um antiquário, e silenciado por detrás de uma outra tela de Courbet. Já no século XX, passou pelas mãos de Émile Vial, cientista e colecionador de arte japonesa. Na primeira década de 1900, um barão e colecionador húngaro, de nome François de Hatvany, levou-o para Budapeste, onde foi usurpado pelo Exército Vermelho, durante a II Guerra Mundial. Mais tarde, o pipi foi retido na casa de campo de Jacques Lacan e após a morte do psicanalista, passou a ser propriedade do Estado francês. Lasso da longa viagem, chega em 1995 ao Musée d’Orsay onde é exposto publicamente, e cospe sobre os olhares mais castos.