Elogio do ócio (I)

 

Nesta nova série, sugerida por uma amiga do blog, Maria Ramalho, iremos partilhar fotografias que documentem singelas mas significativas apropriações do território, improvisadas e poéticas, sintomas difusos de pequenas liberdades que os omnipresentes poderes obstinadamente nos negam enquanto organizam e gerem a nossa participação no trabalho, no consumo e no lazer

O primeiro princípio moral é o direito do homem ao seu trabalho (…). A meu ver não há nada mais detestável do que uma vida ociosa. Nenhum de nós tem esse direito. A civilização não tem lugar para ociosos.

Henry Ford

Foto (Mértola, 2017) e escolha de citação de Maria Ramalho
Advertisements

About PDuarte

Historiador, jardineiro, horticultor. Vive na província. No tempo vago, que procura multiplicar de dia para dia, perde-se em viagens, algumas pelos montes em redor, outras pelos livros que sempre o acompanham. Prefere o vinho à blogosfera, a blogosfera ao Parlamento.

2 thoughts on “Elogio do ócio (I)

Deixe o seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s