“Coxos ao Circo”, por Ana Paula Antunes

“Tu, coxo, já me estás a irritar com essa conversa das acessibilidades. O acesso está lá, por isso cala-te.”

Quando o acesso existe e não cumpre a sua função, não é acesso, ponto final.

unnamed

Não sei se as Câmaras e a comunidade em geral sabem o que é um acesso, o fim da barreira arquitectónica. Não é por pôr para ali uma merda qualquer e chamar àquilo acesso, que passa a ser acesso:

1.º Acesso é o equipamento e/ou a construção que permita à pessoa com mobilidade reduzida, vulgo coxo, aceder pelos seus próprios meios a um sítio, sem estar dependente de terceiros.

2.º Os acessos existem, quando existem, para que as pessoas com mobilidade reduzida, vulgo coxos, possam aceder aos mesmos sítios que os outros pelos seus próprios meios sem serem sujeitos a situações de humilhação, caso contrário teriam criado a figura de “carregador de coxo” e o problema ficava resolvido.

3.º Não são acessos as plataformas que exigem um funcionário para as manobrar e que quando estão a funcionar ocupam a escada toda impedindo que os outros utentes a utilizem criando uma situação de circo.

A plataforma a descer o coxo lá de cima com um pajem a acompanhar, o pessoal a ver e a mandar bitaites do género “Força, Deus é grande!”, ”Coragem!“.

Criam situações discriminatórias, repugnantes, de mete nojo, que os coxos dispensam, caso contrário estariam no circo, pelo menos lá ganhavam uns trocados.

4.º Os acessos pelas saídas de emergência, que foram criadas para outros fins, não são acessos para pessoas com mobilidade reduzida, vulgo coxos. Implicam que a pessoa com mobilidade reduzida, vulgo coxo, chegue muito antes da hora marcada, vá falar com o funcionário para que este abra a porta que geralmente só abre por dentro, e venha de lanterna em punho e guarda-chuva quando chove, por corredores desconhecidos, causando a sensação de se estar dentro de um filme “Esconde-me esse coxo VI” e o circo fica novamente armado.

– Fecha a porta que está frio.

– Mas o que é isto? Não existe uma plataforma lá fora?

– Queremos ver o filme em paz.

– Desculpem, não queria incomodar, mas as escadas…

– Calem-se! Queremos ver o filme.

Os acessos que criam situações de discriminação não são acessos, são atalhos para o inferno do bullying.

Sim, tudo isto acontece no cinema Charlot (propriedade da Câmara Municipal de Setúbal).

2 thoughts on ““Coxos ao Circo”, por Ana Paula Antunes

  1. Peço desculpa, mas só me ocorre dizer: NOJO!!! MUITO NOJO!!!!!!

    Por favor denunciem estes casos, só assim se conseguirá fazer alguma pequena diferença na qualidade de vida das pessoas. Hoje podes ser tu, amanhã posso ser eu!

Deixe o seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s