Sopa de letras

sôfrega sopa

sem bálsamo nem vento

escorre na torrente do esófago

queimando as letras


corpo ácido

não te dilucido

sorvo-te tremendo

óleo hirsuto


primo as letras

titubo na sopa, e

aborto o corpo recôndito


massa seca no armário

disléxica, amarela e híspida

asfixia no plástico

memórias e um prato frio

Captura de ecrã 2015-11-2, às 15.36.16

Deixe o seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s