Eduardo Galeano, 1940-2015

Uruguayan writer Eduardo Galeano

O corpo é uma festa mas um dia acaba. Em alguns casos, ficam legados mais importantes. Particularmente valiosos se nos ajudarem a seguir a direcção da utopia. O direito a sonhar não morre nunca em quem nos deixou, em vida, boas coordenadas. A utopia continua.

2 thoughts on “Eduardo Galeano, 1940-2015

  1. Que o peso das palavras difere, de circunstância para circunstância e pessoa para pessoa.
    Isso já sabíamos.
    Que a leveza da morte nos torna pesados, isso, já é outra história,
    mas já sei que ele era do material dos planetas
    e das vidas movidas pelo destino, pelos deuses e pelas nebulosas
    de fantasmas que tinham chegado e partido, mantendo-se acima dos
    amores que o tempo não consegue expiar nem as súplicas trazer de volta.
    Ele irrompeu como uma maldição na minha terra.
    E agora vou sentir muito a sua falta.
    Ele, Eduardo Galeano.

Deixe o seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s