Crítica da economia política da salsicha

Há certas associações de palavras que nos levam para lugares bastante inesperados. Por exemplo, nos últimos tempos tenho lido por aí várias coisas sobre salsichas. Primeiro, a salsicha educativa do outro e, nos últimos dias, a triste notícia da morte do camarada Loukanikos. Estas referências a salsichas fizeram-me recordar uma história bizarra que li há um par de anos aqui (e mais desenvolvida aqui). Em resumo, o episódio passou-se em Janeiro de 1990, na cidade ucraniana de Chernigov, quando, numa noite, um dirigente local do Partido Comunista teve um acidente de automóvel. O estrondo do acidente chamou a atenção de um grupo de pessoas, que se dirigiu ao local e verificou que, na mala do carro, o homem levava diversos artigos que, à época, eram considerados escassos, ou seja, bens a que a generalidade das pessoas não tinha acesso, a não ser com muita dificuldade: umas bebidas espirituosas e alguns enchidos, incluindo salsichas. Aquilo parecia ser a prova do que se dizia à boca pequena, isto é, de que havia um esquema de fornecimento privilegiado de certos bens escassos a membros da nomenclatura do Partido, enquanto a maioria das pessoas tinha de se contentar com umas poucas lojas com prateleiras quase vazias. O caso provocou a ira das pessoas que ali se juntaram. O carro foi arrastado até ao centro da cidade e ficou exposta a vigarice daquele dirigente partidário, que insistia que aqueles artigos tinham sido uma oferta da família – o que, parente o facto de se tratar de bens escassos, pouco alterava a situação.

Curiosamente, as exigências populares – e mesmo da frágil oposição organizada – que resultaram deste insólito episódio passavam sobretudo pela substituição dos quadros dirigentes locais do Partido. Ou seja, do que se tratava não era tanto do modo de produção e apropriação de bens, ou pelo menos da aspiração por estruturas sociais e políticas de decisão colectiva sobre a sua produção e distribuição, do que se tratava não era, portanto, de questionar uma lógica de organização social em que há governantes e governados, mas apenas de substituir dirigentes corruptos por dirigentes sérios. O que remete, ao contrário do que viria a ser o desfecho do processo de decomposição da União Soviética (e independentemente do que se ache desse processo), muito mais para uma ideia de regeneração do que para qualquer perspectiva de transformação mais profunda das estruturas de organização social.

É difícil não encontrar aqui um paralelo com certos discursos que aqui em Portugal, também em contexto de degradação acelerada do regime, têm ocupado persistentemente o debate público sobre corrupção, privilégios de figuras do Estado, manigâncias mais ou menos legais com dinheiros públicos, etc. Por exemplo, é bastante abstruso que se tivesse, há bem pouco tempo, aventado a hipótese de que Passos Coelho poderia ter o seu lugar de primeiro-ministro em risco por causa do caso Tecnoforma, e não pela capacidade que a pressão social pudesse ter – e manifestamente não tem tido – para o fazer cair.

É evidente que a circunstância deste nível de indigência política ser actualmente sequer plausível diz muito mais sobre a falência da esquerda e dos movimentos sociais do que sobre a honestidade de Passos Coelho. Ou pelo menos, deveria dizer mais para quem ainda mantivesse alguma réstia de perspectiva política emancipatória. A este exemplo poderia juntar-se toda a conversa sobre as incongruências do ufano Marinho Pinto, sobre os «donos de Portugal» ou ainda sobre a localização na ganância de banqueiros e especuladores da principal responsabilidade pela crise da última dúzia de anos. Mais ou menos como sucedeu no episódio de Chernigov, do que parece tratar-se aqui é de substituir dirigentes desonestos por dirigentes honestos, populistas incoerentes por homens de Estado à séria ou banqueiros gananciosos por competentes gestores de um bem comum brilhantemente descrito em qualquer programa político da esquerda. Em suma, por detrás da indignação pela injusta distribuição da salsicha, bem como pela vigarice dos que só se fossem tolos ou não tivessem arte é que não ficariam com a melhor parte quando partem e repartem, está a mesma fúria regeneradora de Chernigov, já incapaz de fazer das estruturas de dominação social vistas na sua totalidade o seu objecto de crítica.

Ora, ainda que mais não se dissesse, podemos pelo menos constatar que a deriva moralista que atravessa o discurso político à esquerda conduziu a um nível muito razoável de bloqueio da acção política. Porventura, um movimento de regresso à crítica da economia política da salsicha pudesse gerar algumas boas pistas para furar esse bloqueio.

Capa do romance 'Inveja', de Yuri Olesha (1927). http://en.wikipedia.org/wiki/Envy_%28novel%29
Capa do romance ‘Inveja’, de Yuri Olesha (1927). http://en.wikipedia.org/wiki/Envy_%28novel%29

One thought on “Crítica da economia política da salsicha

  1. A deriva moralista do discurso da esquerda (consubstanciada numa ‘crítica’ superficial do capitalismo, uma pseudocrítica incapaz de denunciar e travar a intromissão do capital em todos os sectores da nossa vida) é uma terrível evidência, que neste blog já tinha identificado e denunciado no frágil ‘Podemos’ espanhol. Sinal de um tempo dominado por um pensamento único profundamente enraizado e disseminado. Belíssima estreia, Dolores!

Deixe o seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s