Adrien Silva, o líder da revolta contra Bruno Carvalho e Jorge Jesus

 

Em causa as palavras de Jesus, aqui autopsiadas, e a raiva contra Bruno Carvalho, o patrão que não o deixou sair para ir jogar num clube à altura da qualidade do perfume do seu futebol. Isso ou então são saudades de jogar na Briosa. Tudo compreensível, em suma.

“A esquerda e a Síria”, entrevista de Yusef Khalil a Yasser Munif

Resultado de imagem para Siria

Behind the humanitarian disaster of the Syrian civil war is a political crisis the Left urgently needs to understand. The Syrian tragedy is a key moral and political question today. Yet it has not been easy for leftists around the world to decide where they stand on Syria.

To illuminate the history and nature of the Syrian conflict, Yusef Khalil for Jacobin conducted an extensive interview with Yasser Munif, a Syrian scholar who studies grassroots movements in the country. The wide-ranging discussion that follows focuses on such core issues as the character of the Assad regime; the roots and development of the Syrian revolution, and the various opposition groups active there; regional and global interests and interventions; and the tasks and responsibilities of US solidarity.

Continue reading “A esquerda e a Síria”, entrevista de Yusef Khalil a Yasser Munif

“Dar o Salto”, por Outras Palavras PT

Foto de Outras Palavras PT.

Outras Palavras é um projecto de informação que não repete as notícias das agências que se lêem em todos os sites. Privilegia os conteúdos próprios e aprofundados. Quer revelar investigações e reportagens. Ao fast food informativo contrapõe um slow food jornalístico que pretende compreender o que se passa, dar uma visão aprofundada e ter uma perspectiva diferente dos órgãos de comunicação existentes.

Outras Palavras dá visibilidade a sujeitos sociais e a realidades que normalmente estão arredadas dos media. É possível devolver o pluralismo de opinião e de abordagem jornalística aos media. A Internet não tem fronteiras, o nosso espaço de comunicação é o espaço da língua portuguesa.

Outras Palavras desenvolve parcerias informativas, de partilha directa de conteúdos, entre órgãos na net de vários países que permitam criar rede e multiplicar a informação dada a todos.

A crise dos media combate-se com mais jornalismo e cidadania.

Acompanha a Página no Facebook dou Outras Palavras PT e participa do debate, dia 18 de Janeiro, às 21h, na Casa dos Amigos do Minho, com António Martins, editor do projecto no Brasil.

“The Finnish Basic Income Experiment”, por Tiago Silva

Resultado de imagem para Finlândia RBI

Finland has been in the international media’s limelight recently. No, I’m not referring to Juha Sipilä’s dictatorial attempts of conditioning the public broadcasting company. I’m talking about the Finnish government’s experiment of implementing an unconditional basic income, which has been praised by many as a welcomed solution to cut red tape, reduce poverty and boost employment. Sorry folks, but this highly anticipated measure won’t solve any of these problems, except perhaps simplifying bureaucracy a bit.

Less bureaucracy?

Before accusing me of being a killjoy, let me start on the bright side. Any measure that simplifies the social security system is very welcome. If in order to apply for a social allowance we have to fill in a single form for a single benefit, instead of choosing from tens of benefits with different names that are essentially the same, that’s great. A simplification of the social insurance system is sorely needed, but we don’t need to reinvent the wheel to achieve this objective.

Reduce poverty?

Let’s take the value of the benefit: 560€. We must remember that the poverty line in Finland stands at 1190€. If the unconditional basic income is complemented by a conditional part that depends on the obligation to search for employment, putting the beneficiary’s income at the level of the current basic unemployment benefit (työmarkkinatuki) – say, 700€ – this is a meagre income which would hardly contribute to shorten the growing Finnish breadlines. In other words, this measure amounts at best to a name change of the already existing basic unemployment benefit, possibly coupled with a reduction of bureaucracy. Wow, truly revolutionary. Especially if we take into account that at the same time the government is cutting more than thirty different types of social benefits, which affect particularly the most vulnerable sectors of society, such as the sick, pensioners, unemployed, students, etc. Besides, we must not forget that the additional costs caused by this policy would surely lead to an increase in taxation. And we all know who would pay the bill.

Being unconditional, it will be possible for the beneficiary to accumulate the basic income with other earnings. Sounds great, right? But what will the effect be upon wages? Will it exert a downward pressure upon salaries, especially in a country with no minimum wage such as Finland? Will the basic income simply become part of the workers’ wages, thus putting society to pay part of the value of labour and therefore expanding capitalist profit at the cost of public resources? If so, no wonder a right-wing government is considering this model.

Boost employment?

This is what I find most disturbing in the overall discussion about this subject. The main argument for the unconditional basic income is based on the same premise as the one used to justify cuts in unemployment assistance, forcing the unemployed to take jobs with wages below the unemployment benefits, or humiliating them with mandatory visits to the employment office. This premise is simple: people don’t work because they lack “motivation”. If we had 560€ unconditionally granted to us every month, we’d all be utterly motivated and happily employed, I guess. Sure, it will be easier to accept short-term contracts, but shouldn’t we be trying to eliminate precarious employment instead of paving the way for it?

The Finnish basic income won’t solve a thing

People are unemployed because there are no jobs. A quick search in the Finnish employment office website gives us a total of around 13.000 job openings, while there are more than 450.000 unemployed in the country. On the contrary to what the proponents of the unconditional basic income argue, this alarming unemployment level is not due to technological innovation and the automation of the labour process. Firstly, it derives from a deep economic crisis which led to the closure of companies, collective redundancies, lay-offs, etc. It is not due to the development of the productive forces, but exactly the opposite, their destruction. Secondly, it is the result of the deindustrialization of the Finnish economy, characterized by the widespread practice of social dumping.

If Sipilä, Orpo and Soini really intended to boost employment they’d be shortening the workday duration, promoting public investment and reindustrializing the country. If they wished to combat poverty they’d be distributing the social wealth among those who actually produce it, instead of enabling a few to accumulate it in offshore accounts. In a word, the total of social labour and the wealth thus created must be distributed among all.

Technological innovation and the automation of the labour process is a menace for the working class only within a mode of production based on private property of the means of production. That’s why it’s high time to develop a new mode of production based on new relations of production. That’s why it is high time for the collectivization and democratic management of the means of production, aiming towards an economy guided by the social needs, instead of the expansion of the profits of a parasitic minority.

But we all know that we can’t demand this from a right-wing government led by a millionaire and comprised of conservatives and crypto-fascist populists. These tasks can only be accomplished by a socialist government founded upon mass mobilization by the workers and the popular classes. Unfortunately, no alternative of the kind is on the horizon and a great part of the Finnish left is naively falling for the hoax of the unconditional basic income.

P.S: After drafting this text, I came across a report published by the Social Insurance Institution of Finland (Kela), entitled From idea to experiment. Report on universal basic income experiment in Finland, which confirms some of my objections to this model and adds new elements for the discussion. According to the report, the implementation of the basic income model currently being experimented in Finland will lead to an aggravation of child poverty, as well as among the elderly. The study admits that “the unemployed would be the biggest losers. For them, basic income would only partially replace existing income and the taxation on the remaining unemployment security benefits (…) would be higher than under the current system” (p. 41). With this model, unemployed with contributions to the social insurance system will lose at least 50% of their income. It would also imply much less public resources directed to social assistance allowances (p. 25). In an analysis made by the Portuguese left-wing news portal Esquerda.net, it is also noted that “the report assumes that the economic system – especially for the youth – is, from the start, precarious and based on low salaries. (…) the basic income aims to compensate the salaries that the companies will not pay”. Basically, this is what I said above when referring to the downward pressure exerted upon salaries.

Publicado originalmente em Tales from the 1974 Lakes

O que é que aconteceu aos movimentos sociais?

Foto de SOLID.

A SOLID dará este mês início a um ciclo de debates, que começam já no próximo dia 21 de Janeiro, na Fábrica das Alternativas, num encontro que procura perceber o que aconteceu aos movimentos sociais que marcaram a luta política nos últimos anos. Da situação política (da PàF à Geringonça), aos modelos organizativos (dos pequenos comités às grandes assembleias horizontais), passando pelo papel das organizações políticas e partidárias até à pauta das reivindicações, a ideia é colocar tudo em análise para perceber se há, hoje, razões para o reaparecimento deste novo, mas adormecido, sujeito social.

O convite é aberto a todos os interessados, em particular a quem teve participação nos movimentos sociais e tenha interesse em transformar a reflexão sobre o passado em acção para o futuro. Participa!

#PensarParaActuar #CicloDebatesSolid | Evento no facebook

O turismo é a arte da encenação, da falsificação e da mentira

Vídeos promocionais lançados em 2016 pelo Ministério do Turismo sírio.

Rendimento Básico Incondicional, o providencial antídoto para salvar o capitalismo

ofertas

O governo de direita finlandês está por estas alturas a preparar a implementação, que terá lugar em 2017 em regime experimental, desta nova pensão que será – a curto/médio prazo e a nível internacional – a grande resposta concertada do capitalismo à massificação do desemprego que ele próprio multiplica a um ritmo avassalador. A tendência capitalista para monopolizar a economia num conjunto cada vez mais reduzido de actores, que por sua vez necessitam de cada vez menos assalariados para a criação de mercadorias, contribui para tornar supérfluas milhões de pessoas, cuja força de trabalho já nenhuma indústria (da saúde ao turismo, passando pela aeronáutica e a microelectrónica) sabe como explorar e rentabilizar. Quando ainda há meio século eram necessárias muitas centenas de pequenos produtores de fruta para abastecer o centro de uma grande cidade, hoje bastam meia dúzia de gigantes do agribusiness, cuja produção massificada deve mais aos préstimos de máquinas e produtos fitofarmacêuticos do que às mãos de prestadores de serviços precarizados. O mesmo é logicamente válido se, em vez de maçãs, quisermos falar de móveis, de camisas ou de garrafas de azeite. Quanto mais racionalizado, competitivo e empresarial se torna o conjunto da economia, mais a automatização e a mecanização – que conduzem à eficiência e ao lucro – substituem o músculo e o cérebro humanos nas diversas etapas da cadeia de produção de valor, gerando uma massa crescente de excluídos da economia.

Quando ainda nenhum partido político achou valer a pena integrar no seu fraseado esta nova figura política – os excluídos de tudo -, são já centenas de milhões as pessoas que, no chamado terceiro mundo, vivem em favelas. Estes bairros situados à porta de gigantes megalópoles compreendem no seu perímetro as mais altas taxas de doenças, fome e miséria de que há registo, assim como os mais baixos níveis de infraestruturas básicas. Os seus habitantes provêm esmagadoramente dos campos onde anteriormente produziam para pequenos mercados locais e de onde foram expulsos pela criação do mercado mundial (obra da O.M.C.), que os tornou incapazes de competir com o agronegócio. Efectivamente, um dos danos colaterais da liberalização da economia é o aparecimento destes focos de miséria com proporções inimagináveis a que os média jamais fazem referência. Nos países ricos, e apesar de praticamente desconhecerem as favelas do hemisfério sul, não faltam aqueles que passam fome no meio da abundância. Não há hoje cidade no hemisfério norte sem os seus bairros de excluídos da economia que vivem do que ainda resta de caridade do Estado, dos vizinhos ou da Igreja. shop

Sendo que a destruição do capitalismo passaria obviamente por agregar toda esta crescente massa de excluídos numa força anti-capitalista comum, o próprio capitalismo – os seus dirigentes políticos – entendeu não ter outra via, para reproduzir-se, senão conceder a estes potenciais criminosos/agitadores/revolucionários uma esmola mensal (reforçando assim as redes pouco consistentes da caridade), de modo a pacificá-los, torná-los obedientes e, o que não é menos importante, fazer deles passivos consumidores capazes de participar na dinamização das indústrias e dos negócios capitalistas (Ikea, Nike, Pfizer, Zara, Samsung, Coca-Cola, Lufthansa ou Repsol poderão dormir em paz).

croudsO Rendimento Básico Incondicional não tem, historicamente, outra finalidade do que a de salvar o capitalismo e dar-lhe uma nova vida. A sua implementação não será fácil pois irá previamente requerer um aumento brutal da tributação de impostos. Que seja uma elite capitalista e conservadora do norte da Europa a ensaiar o sistema não tem nada de estranho, na medida em que é precisamente para que ela se possa perpetuar que tal sistema foi inventado.

O que é mais espantoso nesta medida é que é o sistema público quem, através do providencial Rendimento, é chamado a reintegrar na economia capitalista aquelas pessoas que a própria economia capitalista, sem dó nem piedade, antes expulsara – num processo que permitiu concentrar riqueza como nunca antes na história. Só assim a economia capitalista poderá continuar a escoar as suas mercadorias, vendendo-las já não aos seus próprios assalariados (que serão reduzidos a um número insignificante), mas a uma massa de reintegrados no sistema pelo R.B.I., assim convocados a dar nova vida a shoppings, hipermercados, bombas de gasolina e estádios de futebol.

pic2Em suma, aqueles que primeiro desenvolveram a ideia peregrina do R.B.I. não encontraram apenas uma inteligente forma de dinamizarem as suas carreiras académicas; criaram também o poderoso antídoto que poderá sem dúvida salvar o capitalismo da crise em que ele actualmente se encontra. Um dos problemas actuais que a reprodução do capitalismo enfrenta é o descontentamento que está, subterraneamente, a surgir na massa de excluídos que ele gera (já se esqueceram dos motins de Londres ou de Paris?), os quais se poderão agregar num novo movimento político para fazer-lhe frente. Outro problema é que esta massa supérflua pouco ou nada consome, não contribuindo para resolver a crise de escoamento da produção capitalista. O Rendimento Básico Incondicional promete de uma assentada solucionar duradouramente estas duas questões. Em clima de paz social e sem lutas de classes.

Finalmente, não é difícil de adivinhar em quem irá votar a nova multidão de dependentes da esmola estatal, que conservará assim no poder os partidos que fazem perpetuar o capital-parlamentarismo. Como dizem os franceses, la boucle est bouclée.